quarta-feira, dezembro 02, 2009

3:57


Ela chorou sozinha naquela noite. Se trancou no quarto e chorou! Chorou ! Chorou! Chorou!
Nem o vento calmo que acariciava a cortina que lhe tocava o ombro, nem saber que o mar estava bem perto de seus pés: Nada fazia com que ela parasse com as lagrimas. Choro sem cor.
O amor da vida tornou-se folha morta no chão. Não havia mais graça nem numa coca gelada... Seus velhos discos gritavam no fundo do baú para que uma emoção fosse reacesa, recordada e lapidada de maneiras e formas diferentes. A alegria partiu!
O maior desespero do alcool é ser rejeitado. E ela rejeitou qualquer alteração , qualquer substancia que lhe desse solavancos e suspiros. Não havia mais cor no apartamento, nem na grama que via do alto de sua janela. Pensou e questionou por onde andava a inocencia, o alto-astral e a pureza daqueles que sorriem com a alma nos dentes.
Era quente aquela noite, era frio seu coraçao...
Deitou-se. Consultou 257 fantasmas. Tomou um calmante.
E foi beijar a felicidade que so enxergava nos sonhos.

Um comentário:

CARLA VIEIRA LOPES disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.

Arquivo do blog

Quem sou eu

Minha foto
Filme na madrugada. Disco velho. Livro empoeirado. Caixa fechada. Coração trancado. Monossilabo. Plural. Só. Viajante . Caseiro.
Loading...