quinta-feira, agosto 30, 2007

O Coração sem Cabeça


O espaço solitário do peito novamente servia de impulso para perambular pelas ruas noturnas. A ânsia que não cabia em seu quarto não sabia de que alimento raro necessitava aquele corpo . Saia sem rumo com um cigarro lento no canto da boca e passos rápidos. Os bares eram os principais cúmplices de tamanho questionamento e avidez pelo não sei o que. A cerveja gelada no copo, a bela mulher de vermelho sorrindo, o cheiro do mato queimando no mato e o vento sempre presente do mar, eram pintados no cenário da alma que já não estranhava toda cor que morava ali.Não sabia se precisava de um beijo novo ou de um milagre.Tinha ainda a esperança de que um poema brotasse la do inexplicável , salvando assim uma fatia daquela noite.Outra cerveja na mesa e o mundo girando.Nada de novo no mar das antigüidades. O horror de ver o nada aumentado feito fogo causava a acidez de imaginar o reencontro com a casa.O que amar nessa noite de lua sem igual??O que acender nesse frio constante??Quantas horas serão no outro lado da vida??As perguntas de sempre, o vazio aumentado.O coração precisava de ferias conjuntas com o cérebro. Talvez depois de uma longa conversa eles resolvessem mudar de função pôr algum tempo. A cabeça do coração. O coração sem cabeça.Iria tudo se ajustar depois desse choque improvável de nao sei quantos mil woltz??Faz muito tempo que sinais de inquietação brilham nesse escuro. A hora que passa não deixa saudades e não planta nenhuma inspiração. Mas alguem havia falado no absurdo...Subitamente um beijo novo acontece. De repente um milagre ecoa lá do alto do céu. Numa bomba de magia aparece um poema dobrando a esquina em alta velocidade. Ele veio louco, atropelando suas ruínas, gritando alto e sorrindo verdadeiramente. O poema esta incontido, intransigente e faz questao de estremecer a galáxia . Ele usa uma bandeira nova onde esta escrito em tons berrantes e únicos: Sou vivo! Sou vivo ! Sou vivo !E se seguia uma chuva nova, um apocalipse de palavras. Outros versos vieram despencados do céu sem avisar. A mulher de vermelho já embriagada apaixonou-se por um dos poemas vindos do desconhecido. As mesas se tornaram tao vivas que ate as flores pintadas na toalha que as enfeitavam pareciam dançar nas curvas do aconteciemento . As horas já não importavam mais. O impossível se vestiu de gala pra brindar aquele momento.Agora sim, a casa fantasma estava totalmente apagada, escondendo as sombras em gavetas de luz, totalmente adormecida por um estalo novo que o mundo inteiro costuma chamar de euforia !

quarta-feira, agosto 29, 2007

Mar Amor


Meu amor e mar

Ainda maior

Que a onda de amor

Do televisor


Meu amor e diantaeiro

O dia inteiro,perfeito

Como cada fio

Do seu cabelo negro


Nem um mar de amor

Me afogaria

Se nao fosse esse

Meu desejo louco


Mergulho profundo

No mar amor

Me aportando fixo

No oceano etilico

Do seu coraçao...

O Dia em que eu Quase Morri





Era dia 08 de maio de 1998. Eu estava em casa com meu filho e minha ex-mulher, quando (como de costume) meu amigo R.j chegou subitamente a buzinar no portao.Cara de louco, agitado , queria que eu fosse com ele trocar seu microondas por 20 gr de pó.Eu que sempre fui comedido , no inicio exitei e tentei convencer de nao fazer aquilo, mas logo entendi que nao tinha jeito: Seu coração na nuca nao deixaria com que ele mudasse de ideia.Partimos pra Taguatinga Norte e tudo ja estava certo. Descemos do carro, tiramos o forno, levamos pra cozinha do estabelecimento e as 20 ja estavam translucidas em nossas maos.Antes de começar o massacre fomos ate o centro para comer uns cachorros - quentes pra dar sustancia ao inevitavel baque,e, ali, se aproximou uma morena que logo descobrimos se chamar Laura, que por sua vez entrou no carro e seguiu conosco.Como diria Cazuza " Vem comigo, no caminho eu explico".Tinhamos apenas um litro de conhaque Dreher e Laura perguntou se eramos gay. Eu ri na cara dela e disse que pelo menos eu gostava era de b....... R.J sorriu como que diz que a resposta viria mais tarde.A casa de R.J estava vazia. Apos sua ultima crise de loucura sua mae resolveu sair dali por tempo indeterminado. No imenso quintal os 3 cachorros estavam soltos, todos ferozes, uma fortaleza vigiada por todos os lados.Qundo entramos na casa fomos todos pro quarto de RJ para começar a noite. Quando percebi estavam laura e Rj na banheira nus e fazendo sexo. Eu fiquei na anti-sala fazendo as 6 primeiras carreiras da noite.Depois do banho duplo, os tres partiram para o outro quarto, RJ ligou o som , colocou um cd de Chico Buarque e falavamos feito loucos. JA estavamos sob efeito , ja se iam 10 gr ,metade do total e descemos para a sala da casa.Me lembro que de repente comecei a suar frio, minha visao escureceu, meu coraçao ia sair pela boca. Meu corpo ficou todo dormente, foi quando fiz a besteira de sair correndo pela casa.Me lembro de ter apagado por instantes e ter acordado no sofa .Lembro que na hora que acordei bebi 8 copos grandes de agua seguidamente. Tremia muito. Via os olhares espantados de Laura e Rj. Quando voltei a mim fui tentar dormir. RJ continuava no seu ritmo doido e nao queria parar. Lembro que Laura foi deitar comigo, que fizemos sexo, e que depois apagamos.Percebi a luz do sol no meu rosto. Havia uma discussao alta la embauixo e RJ nao estava no quarto. Seu aparelho de som estava quebrado e vi que algo estava errado.Quando ele subiu, disse que sua mae tinha acabado de sair, furiosa, e que prometeu voltar com reforço.RJ bebeu o conhaque inteiro! Laura estava assustada na cama.Eu todo arrebentado resolvi ir embora. Os cachorros foram presos.Segui a rua lento.

A sorte foi que um amigo passou de carro e meu deu carona.AS 4 da tarde RJ chega la em casa sorrindo, dizendo que a polica invadiu a casa, Laura entrou em desespero e ele se atracou com os agentes. Foi pra delegacia e confessou pro delegado que era viciado. Disse que Laura tinha sido liberada e estava com uma tv no banco de tras....

segunda-feira, agosto 27, 2007

Adrenalina


Misture energeticos com sexo na praça. Sede de vingança com mensagens subliminares. Adicione muita efedrina. Veja um homem cheirando cocaina no chao sem parar. Um chute no policial. Veja um homem conversando com seus fantasmas no elevador. Prenda os olhos!

Pra comecar o fim, misture muito mais sexo, remedios e rock and rolll!


Sensacional!!

sexta-feira, agosto 17, 2007

Amor!


Amor!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Amor!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Amor!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Amor!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Amoe!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Amor!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Amor!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Amor!

segunda-feira, agosto 06, 2007

Janis e Jhon



Uma história muito divertida. Um corretor de seguros, Pablo, recebe a proposta de cobertura total (de seguro) de um velho carro, cujo dono nunca o tira da garagem. Acreditando que não acontecerá nada com o veículo, ele embolsa o dinheiro pago pelo seguro. Mas o dono do carro sofre um acidente com perda total. Agora Pablo está numa enrascada. Como pagar 500 mil francos de prêmio? É quando ele sabe que Léon, um primo que não vê há muitos anos, recebeu uma herança milionário. Ele vai visitar o rapaz que está piradíssimo depois de ter tomado um ácido. Na viagem lisérgica ele encontra com John Lennon e Janis Joplin que prometem voltar um dia.


Wendell Baker (Luke Wilson) é um sonhador cujo último plano mirabolante o levou à prisão, separando-lhe de sua namorada Doreen (Eva Mendes), de seu melhor amigo Reyes (Jacob Vargas) e até de seu cão, Júnior. Um eterno otimista, Wendell aproveita ao máximo seu tempo atrás das grades e jura mudar de vida. Quando é solto, arruma um trabalho numa instituição para aposentados chamada Shady Grove. Lá, ele faz amizade com alguns dos residentes: Boyd (Seymour Cassel), Skip (Harry Dean Stanton) e Nasher (Kris Kristofferson). Os novos amigos de Wendell tentam lhe dar conselhos sobre como ganhar sua garota de volta, ao passo que ele tem que ajudá-los a enfrentar o malvado enfermeiro-chefe da clínica, Neil King (Owen Wilson) e seu braço direito, McTeague (Eddie Griffin).

Arquivo do blog

Quem sou eu

Minha foto
Filme na madrugada. Disco velho. Livro empoeirado. Caixa fechada. Coração trancado. Monossilabo. Plural. Só. Viajante . Caseiro.
Loading...