sábado, agosto 22, 2009

O Medo


Essa noite eu me assustei comigo mesmo
Com o tremor que me invadiu
As minhas maos assim geladas
E o frio que nunca senti
Eu tive medo do meu coração
Do seu disparo pro infinito
O grito que nao pude dar
O ar que agora me faltou
E pude ver o meu espanto
Mesmo nao tendo um espelho
Era o vazio do horror
O sentido sem sentido
Sentindo que nada valia
Que tudo era sem razão
Mas isso era uma emoção
Pro meu temor estava vivo
Eu sentia que estava vivo
Um bicho que sempre respira
E vive so por respirar
Que desconhece os relógios
Que se reencontra num altar
Nos braços do Deus invisivel
O Deus que faz vida voltar
Que abre os olhos pra depois
Depois em qualquer lugar
Eu tive medo esta noite
Inexlplicavelmente medo
Inexplicavelente morte
Inexplicavelmente cedo

Nenhum comentário:

Arquivo do blog

Quem sou eu

Minha foto
Filme na madrugada. Disco velho. Livro empoeirado. Caixa fechada. Coração trancado. Monossilabo. Plural. Só. Viajante . Caseiro.
Loading...