quarta-feira, janeiro 28, 2009

Verde


Era só a leveza que estava longe. Se perdeu em meio a tanta solidão, a tanto medo de não ver o amor colorido. E os olhos mais uma vez se perdiam junto ao sofrimento...Era so a verdade que trazia temor e pranto. A verdade de amar!
Amar como quem sorri com o vento. Amar como quem corre aos prantos de alegria. 
Uma dose de conhaque. Um copo de vinho gelado. Ao fundo aquela musica triste que fazia feliz a união dos sentidos, da pele , do gozo...
Nessa hora toda os anjos contemplam e uns ate choram.
É só o tempo de relembrar...
É só outra variavel do coração.

Nenhum comentário:

Arquivo do blog

Quem sou eu

Minha foto
Filme na madrugada. Disco velho. Livro empoeirado. Caixa fechada. Coração trancado. Monossilabo. Plural. Só. Viajante . Caseiro.
Loading...