quarta-feira, junho 09, 2010

A noite tem olheiras




Na noite que não adormece
Alguém vasa os olhos
E corta a garganta de desespero.

Na noite que não adormece
Alguém pensa em partir
Para nunca mais voltar
Alguém volta mais triste que na partida

Na noite que não adormece
Bêbados duplicam as ruas,
Duplicam as luas,
E a única solução é a de estar bêbados.

Na noite que não adormece
Porque não deixamos,
Acontece o dia
Que nunca acorda a noite,
Porque a noite está sempre acordada,

Esperando por nós,
Homens e mulheres,
Partidos, tristes,
Alegres e desesperados.


João Bosco da Cunha Melo , do livro: Força Bruta

Nenhum comentário:

Arquivo do blog

Quem sou eu

Minha foto
Filme na madrugada. Disco velho. Livro empoeirado. Caixa fechada. Coração trancado. Monossilabo. Plural. Só. Viajante . Caseiro.
Loading...