sábado, maio 14, 2011

Estranho

Fixo na parede do tempo
Vejo pelas fendas do passado
Um retrato estranho
De um ser inventado

Vejo algo perdido, bandido
Amor recolhido
Instinto nocivo
Ao que aconteceu

E ando em circulos louco
Na companhia do copo
E dos meus labios ecoa
Uma música de morte

Enquanto ando e respiro
Me disfarço de vida
Perambulando internamente
Sob os pedaços que posso colher!!

Nenhum comentário:

Arquivo do blog

Quem sou eu

Minha foto
Filme na madrugada. Disco velho. Livro empoeirado. Caixa fechada. Coração trancado. Monossilabo. Plural. Só. Viajante . Caseiro.
Loading...