segunda-feira, setembro 01, 2008

Errado!


Errado!
O peso desse coração

Equivale exatamente

A essa bomba absurda

Que devasta sem lucidez

A embriaguez que se faz desordem

É um fato consumado!

Consumido!

Bem no limite imaginado.

Essa voz que persegue!

Esse tempo que insiste!

Desenhos inteiros da noite

Tudo que não posso dormir...

Se existe perdão pra causas humanas

Dos que nao acreditam nos céus

Sera perdão regado á vinho

Que representa a face morta da paixão.

Nenhum comentário:

Arquivo do blog

Quem sou eu

Minha foto
Filme na madrugada. Disco velho. Livro empoeirado. Caixa fechada. Coração trancado. Monossilabo. Plural. Só. Viajante . Caseiro.
Loading...